Você está aqui: Página Inicial / Projetos / PESQUISA

PESQUISA

A PSICOLOGIA DE ORIENTAÇÃO MATERIALISTA HISTÓRICA DIALÉTICA E O ESTUDO DAS AFETIVIDADE: IMPLICAÇÕES PARA O ESTUDO DA SUBJETIVIDADE

 Coordenador: Dr. Alvaro Marcel Palomo Alves


Descrição: Pretendemos analisar como os teóricos da psicologia que tomaram o materialismo histórico e dialético como fundamento epistemológico, expuseram suas explicações sobre o desenvolvimento da afetividade como sistema psicológico. Pontuar os compromissos ontológicos, epistemológicos e éticos dos diversos autores marxistas em psicologia se faz necessário mediante a diversidade de interesses e relações presentes na biografia de tais autores. A pesquisa será do tipo conceitual, norteada pela Epistemologia Qualitativa (GONZALEZ REY, 2001) e no seu desenvolvimento contará com três etapas: a) Descrever nas obras de L. S. Vygotsky, A. Luria, A. Leontiev, S. L. Rubinstein e H. Wallon seus conceitos de afetividade e metodologias utilizadas na pesquisa psicológica. b) Descrever nas obras de L. Sève, G. Politzer, A. Heller e H. Marcuse seus conceitos de identidade, personalidade e sexualidade, buscando aproximações ontológicas com o conceito de afetividade. c) após detalhada descrição procuraremos estabelecer relações, oposições, aproximações e distanciamentos entre os autores, gerando zonas de sentido entre suas teorias e evidenciar seus compromissos epistemológicos.. 
Situação: Em andamento.

ALTERNATIVAS PARA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA DEMANDA À PSICOLOGIA ESCOLAR

Coordenadora: Drª Sonia Mari Shima Barroco

Pesquisa financiada pela Fundação Araucária (Edital 05/2011), envolvendo as Universidade Estadual de Maringá (UEM/PR), Universidade  de de Rondônia (UNIR/RO) e Universidade Federal do Paraná (UFPR/PR).

HUMANUS: ESTUDO DE CONTRIBUIÇÕES/IMPLICAÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS DA PSICOLOGIA HISTÓRICO CULTURAL PARA A EDUCAÇÃO COMUM E ESPECIAL.

Coordenadora: Drª Sonia Mari Shima Barroco

Pesquisa desenvolvida pela UEM, Proc. 7221-2014- PRO, 2014-2017).

DESENVOLVIMENTO AFETIVO-COGNITIVO: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL PARA A PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO

Coordenadora: Drª Adriana de Fátima Franco

Descrição: O presente projeto busca por meio de um estudo teórico e conceitual compreender, a partir das obras dos elaboradores da Psicologia Histórico-Cultural ( L.S. Vygotski e A. Leontiev) e seus continuadores, como se dá o desenvolvimento afetivo-cognitivo na primeira infância. Serão analisadas fontes primárias de textos publicados pelos autores citados e fontes secundárias de continuadores da Psicologia Histórico-Cultural, comentadores e intérpretes contemporâneos desta abordagem teórica, que tratem da mesma temática. Após a seleção das fontes, pretende-se analisar as especificidades do desenvolvimento cognitivo-afetivo de crianças de 0 a 6 anos.

 

HIGIENE MENTAL E EUGENIA: O IDEÁRIO DA MODERNIDADE (FASE 5)

Coordenadora: Drª Roselanea Francisconi Borges

O presente projeto de pesquisa vem dar continuidade as atividades do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Higienismo e o Eugenismo – GEPHE – devidamente inscrito na Plataforma Lattes do CNPq. Isto significa que não se trata de um projeto de pesquisa isolado, mas parte de um programa de pesquisas que sustenta e consolida um grupo de estudos. Como a própria denominação deste grupo indica, a temática deste projeto busca compreender a concepção de homem e sociedade contemplada no ideário da higiene mental1 e da eugenia2 . Com tal objetivo os estudos iniciais tiveram como escopo de pesquisa o ideário da higiene mental e da eugenia no período em que este ideário se fazia fortemente presente na sociedade brasileira, ou seja, nas primeiras décadas do século XX. À medida que os estudos avançavam surgiu o interesse de também se fazer o caminho inverso. Assim, partindo de temáticas contemporâneas, foi possível realizar estudos os quais demonstraram que muitas práticas atuais, consideradas inovadoras, são ressonâncias ou rebatimentos de práticas ou concepções muitas vezes consideradas superadas. Nestes termos, além de um projeto de pesquisa, estamos aqui propondo a continuidade de um conjunto de estudos que, desde 1998, vem formando pesquisadores e produzindo trabalhos acadêmicos de referência.

 

PROJETO DE PESQUISA: RETRATO DA MEDICALIZAÇÃO DA INFÂNCIA NO ESTADO DO PARANÁ (Processo nº 9801/2012-PPG).

Coordenadora: Drª Silvana Calvo Tuleski

Resumo: A preocupação em se buscar dados quantitativos que possam ser analisados qualitativamente, com relação à medicalização de crianças que integram os Centros de Educação Infantil e o Primeiro Ciclo do Ensino Fundamental origina-se da atuação dos pesquisadores participantes como supervisores de estágio em Psicologia Escolar no interior das escolas públicas, como ministrantes de cursos de formação de professores nas redes públicas de ensino e, ainda, como psicólogos e pedagogos que direta ou indiretamente atuam nestas unidades. De modo assistemático observamos nas últimas três décadas o aumento do número de crianças encaminhadas pelas escolas, desde a tenra idade, para diversos tipos de atendimento especializado como psicoterapia, fonoaudiologia, neurologia, psiquiatria, psicopedagogia, em virtude de supostos transtornos de aprendizagem, muitas delas recebendo diagnósticos de transtornos de aprendizagem com prescrição de medicação controlada. Por outro lado, dados governamentais demonstram o quanto a escola, cada vez mais, se defronta com o não aprender no interior das salas de aula. A Síntese de Indicadores Sociais divulgada pelo IBGE em setembro de 2008 demonstra que do total de alunos de 07 a 14 anos matriculadas em escolas brasileiras, 27,5% estavam atrasadas em relação à série recomendada e 7,4% foram denominados iletrados escolarizados. Outro dado que aponta para o fracasso na educação brasileira é o relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que em 2007 realizou uma avaliação internacional envolvendo 400.000 estudantes, matriculados em escolas públicas e particulares de 57 países e os brasileiros aparecem na 52ª colocação. Verifica-se, portanto, que se por um lado, ainda hoje nem todas as crianças brasileiras têm acesso à escola, configurando um processo de exclusão da escola, por outro, com a implantação das políticas de progressão continuada como programa de governo em várias redes de ensino em 1990 deu continuidade ao processo de exclusão na escola, com altos índices de alunos analfabetos ou semi-alfabetizados em séries avançadas do ensino fundamental.  Entende-se como fundamental o levantamento de dados quantitativos que resultem em uma análise qualitativa, que prime por uma perspectiva totalizante e não reducionista de como se dá o desenvolvimento e aprendizagem das crianças e que considere as políticas públicas no âmbito da educação e da saúde. Com este objetivo a pesquisa iniciará com o levantamento de dados sobre o número de crianças diagnosticadas e medicadas devido a transtorno de aprendizagem, inicialmente nas redes municipais de Maringá e Paiçandu, municípios que já aderiram ao projeto, porém, visamos a extensão da mesma a outros municípios do Paraná como Londrina, Ponta Grossa, Curitiba, entre outros que tiverem interesse em integrar o trabalho.

Docentes da UEM participantes do Projeto: Dra. Silvana Calvo Tuleski (coordenadora) (DPI/PPI), Dra. Adriana de Fátima Franco (DPI/PPI), Dra. Rosana Albuquerque Bonadio (DPI), Ms. Fernando Wolff Mendonça (DTP). O projeto conta com a participação de docentes da UEL, UEPG, UNIOESTE, UNESPAR, integrantes das Secretarias de Educação dos Municípios envolvidos, alunos de graduação e Pós-Graduação.

 

EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR

Coordenadora: Drª Maria Julia Lemes Ribeiro

Reflexões a partir de relatos de acadêmicos deficientes egressos, formados na Universidade Estadual de Maringá. O atendimento educacional para as pessoas com deficiência, tem ocorrido segundo os padrões assumidos nos diversos momentos históricos e nas diferentes culturas, acerca da visão de homem, avaliação e trabalho. Neste sentido, podemos afirmar que, em diversas culturas, segregaram por muito tempo estas pessoas, já que as consideravam apenas onerosas para a nação, e restringiam as oportunidades para que pudessem mostrar seu lado eficiente. Havia, portanto, uma generalização de não possibilidades a partir da deficiência que apresentavam. Educacionalmente, isto também ocorreu e, para estas pessoas a educação sistematizada demorou muito a ser organizada. Este é um fator muito importante, para justificar um número tão pequeno de pessoas com deficiência cursando o ensino superior. Neste nível de ensino, embora poucos tenham chegado, alternativas educacionais têm sido encaminhadas, como é o caso da monitoria especial na  Universidade Estadual de Maringá- UEM, com o intuito de prover as mesmas oportunidades de aprendizagem para todas as pessoas. São sistematizadas em algumas Universidades, estratégias que garantam a acessibilidade no ingresso e permanência dos acadêmicos. Poucos têm concluído os Cursos de Educação Superior, e esta demanda, representa uma fonte fidedigna de avaliação dos recursos de acessibilidade que têm sido providos, bem como, de dificuldades, limites e possibilidades experienciadas neste nível de ensino. Com esta perspectiva, de buscar junto aos acadêmicos deficientes, egressos formados na Universidade Estadual de Maringá,  informações sobre   a inclusão no ensino superior,  por meio das próprias vivências de inclusão, é que esta pesquisa empírica será realizada, pretendendo contribuir com as ações de efetivação da igualdade de direitos para todos, conforme proposta da política de inclusão social e escolar.

 

O ADOECIMENTO DO PROFESSOR, A MEDICALIZAÇÃO E O SENTIDO PESSOAL DA PRÁTICA PEDAGÓGICA: UMA DISCUSSÃO COM FUNDAMENTOS NA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

Coordenadora: Drª Marilda Gonçalves Dias Facci

Estamos nos deparando hoje com vários professores readaptados. O adoecimento do professor, muitas vezes acompanhado de uso de medicamentos, permeia a relação ensino-aprendizagem. Mal-estar docente, Síndrome de Bournout, por exemplo, são assuntos tratados na atualidade e que demandam continuidade de pesquisa, especialmente na área de Psicologia Escolar. Desta forma, o objetivo desta investigação é analisar a relação estabelecida entre o adoecimento do professor readaptado, o sentido dado à prática pedagógica, e o processo de medicalização que vem se instaurando na sociedade, sobretudo na escola, tendo como fundamentos os pressupostos da Psicologia Histórico-Cultural. Quanto aos procedimentos metodológicos, será realizada a pesquisa bibliográfica e a pesquisa de campo. A pesquisa bibliográfica contemplará estudos sobre a psicopatologia a partir de fontes primárias, estudando obras de autores da Psicologia Histórico-Cultural, assim como a análise de artigos, livros e capítulos de livros publicados sobre o adoecimento do professor. A pesquisa de campo contemplará duas fases: 1) questionários enviados a professores readaptados de escolas do Ensino Fundamental da região norte do Estado do Paraná e, b) entrevista com até 10 professores que responderam ao questionário. Como resultados, defenderemos a necessidade de discutir a temática da pesquisa ancorada em pressupostos que vão além de uma análise positivista, individualista, que naturalizam os fenômenos. Procuraremos compreender essas problemáticas enfrentadas na escola levando em conta os determinantes sociais que produzem o adoecimento dos professores, subsidiando a atuação do psicólogo escolar. Situação: em andamento - iniciada em Março de 2015

Financiador: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa de Produtividade em Pesquisa. Docentes da UEM participantes do Projeto: Dra. Nilza Sanches Tessaro.

 

A AFETIVIDADE NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM E A PSICOLOGIA HISTORICO-CULTURAL.

Coordenadora: Drª Marilda Gonçalves Dias Facci

Na Psicologia Histórico-Cultural a relação desenvolvimento e aprendizagem está vinculada às emoções. Afetividade e cognição estão estreitamente relacionadas e cabe à Psicologia Escolar compreender como ocorre a vinculação entre ambas. Desta forma, o objetivo desta pesquisa é aprofundar os estudos sobre a afetividade no processo ensino-aprendizagem, tendo com fundamentos pressupostos da Psicologia Histórico-Cultural. A investigação está sendo realizada por meio de pesquisa bibliográfica em fontes primárias. Além do estudo de algumas obras de autores da Escola de Vigotski, estamos constituindo um banco de dados fazendo um levantamento bibliográfico em banco e teses de dissertações da CAPES e base Scielo sobre a temática do projeto, utilizando os seguintes descritores: atividade, consciência, personalidade e emoção e ou afetividade, sofrimento, relacionando com os descritores educação e escola. Também efetuamos uma pesquisa nos Anais do X Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional, realizado em 2010, para identificar a presença dos conceitos de afetividade e ou emoção e personalidade em resumos e trabalhos completos publicados, analisando como estes conceitos estão sendo discutidos nos trabalhos, quando enfocam a relação professor-aluno. Os resultados da pesquisa poderão auxiliar na discussão sobre a afetividade e aprendizagem que constantemente são temas de estudos e que constituem conteúdos ministrados nas disciplinas de graduação e pós-graduação do curso de Psicologia e Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UEM. Situação: em andamento - iniciado em 2012. Docentes da UEM participantes do Projeto: Dra. Zaira Gonçalves Leal e Silva, Ms. Marlene W. Simionato.

 

PROPOSIÇÕES DE ALTERNATIVAS PARA O ENFRENTAMENTO DA QUEIXA ESCOLAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL. Nº do projeto 712/2015/PPG.

Coordenadora: Drª Nilza Sanches Tessaro Leonardo

RESUMO: O presente estudo trata de questões referentes às queixas escolares – Problemas de aprendizagem e problemas de comportamento, e tem por objetivos gerais: aprofundar a compreensão acerca do desenvolvimento psíquico por meio do estudo do desenvolvimento humano e da aprendizagem escolar, a partir da Psicologia Histórico-Cultural; desenvolver proposições de alternativas para o enfrentamento e a superação das queixas escolares presentes no cotidiano de escolas de Educação Básica. Seus objetivos específicos são: realizar levantamento, leituras e reflexões de obras de autores da Psicologia Histórico-Cultural que tratam sobre o desenvolvimento do psiquismo, bem como sobre o processo de aprendizagem e desenvolvimento humano; conhecer como ocorre o processo de aprendizagem e desenvolvimento infantil, visando o enfrentamento dos entraves que vem ocorrendo neste; investigar quais são as queixas escolares e como estas estão sendo enfrentadas no âmbito das escolas que participarão da pesquisa, visando subsídios para o prosseguimento do trabalho; elaborar estratégias de intervenções (como a elaboração de texto didático, cartilhas) para serem desenvolvidas nas escolas que farão parte da pesquisa.  Instrumentalizar os profissionais (professores, coordenadores pedagógicos e diretores, etc.) que pertencem às escolas participantes da pesquisa, de forma que eles possam desenvolver seu trabalho pedagógico de maneira eficaz, tendo condições de intervir nas queixas escolares (problemas de comportamento e aprendizagem dos alunos); promover avaliação constante das transformações e avanços ocorridos em decorrência do trabalho realizado com a escola. Esta pesquisa constitui-se em investigações bibliográfico-conceituais e de campo, sendo que seus procedimentos metodológicos envolvem várias etapas.

 

O MOVIMENTO DA PÓS-MODERNIDADE E A CONSTITUIÇÃO DA SUBJETIVIDADE PELO ADOLESCENTE

Coordenador: Dr. Marcos Maestri

A adolescência é considerada uma fase de transição da infância para a vida adulta marcada pela instabilidade emocional, conflitos, isolamentos, perturbações entre outras características. Além disso, a adolescência vem sendo estigmatizada pela prática da delinquência, consumo de drogas, alienação. Este projeto tem como objetivo geral compreender o movimento pós-moderno e sua influência na constituição da subjetividade pelo adolescente, a partir da perspectiva psicodinâmica (psicanálise) e da psicologia sociohistórica, para melhor compreender e lidar com o adolescente, hoje. O método, para atingir esse objetivo, propõe ser uma pesquisa exploratória, de caráter bibliográfico e de natureza aplicada, buscando seus dados na base de dados da Biblioteca Virtual em Saúde. Quanto aos resultados, espera-se: conhecer a realidade (contexto sócio-econômico-político-cultural) para poder entender melhor o comportamento humano, especialmente, dos adolescentes; ampliar o conhecimento da fase da adolescência, auxiliando na compreensão dos comportamentos desviantes ou de risco (delinquência. drogas...); auxiliar pedagogos e educadores no processo ensino-aprendizagem diante da indisciplina escolar e do baixo desempenho acadêmico dos adolescentes; subsidiar pais no processo formativo dos seus filhos frente aos conflitos de geração no ambiente familiar.

 

UMA INTERPRETAÇÃO DOS COMPROMISSOS FILOSÓFICOS DA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

Coordenadora: Dra. Carolina Laurenti

Uma das peculiaridades da formação do psicólogo é a necessidade de lidar com a diversidade teórico-metodológica da psicologia. Essa pluralidade, que acompanha a psicologia desde os primeiros projetos modernos, apresentados por William James e Wilhelm Wundt, lança não apenas o desafio de reconhecer a irredutibilidade das diferentes formas de compreensão dos fenômenos psicológicos, mas também a necessidade de buscar clareza sobre os diferentes compromissos filosóficos que sustentam essa diversidade. Além disso, o desafio de lidar com a diversidade do campo psicológico não se restringe a sua pluralidade teórica, mas também à multiplicidade de interpretações que uma mesma teoria psicológica pode suportar. Esse é caso da análise do comportamento, uma proposta de psicologia científica, balizada pela filosofia do comportamentalismo radical, inicialmente formulada por B. F. Skinner. Há uma série de divergências interpretativas com respeito a essa teoria psicológica, o que ganha respaldo na abertura do texto de Skinner para diferentes propostas epistemológicas. Pautando-se nesse panorama, este projeto pretende delinear uma interpretação dos compromissos filosóficos da análise do comportamento avaliando o seu alcance na compreensão de questões psicológicas e sociais contemporâneas. Valendo-se de diferentes estratégias metodológicas, esse objetivo é perseguido por meio de estudos desenvolvidos em duas frentes de trabalho: I) Questões filosófico-conceituais: o objetivo desta frente de trabalho é considerar textos de autores de áreas afins (sobretudo, filósofos) como pré-textos para discutir e esclarecer diferentes interpretações dos compromissos filosóficos da análise do comportamento; II) Questões psicológicas e sociais contemporâneas: esta frente de trabalho analisa o texto skinneriano com o intuito de avaliar sua capacidade de acompanhar discussões contemporâneas no âmbito psicológico e sociológico. Com isso, este projeto pretende contribuir com um ensino mais crítico da análise do comportamento, buscando evitar uma postura dogmática com respeito a essa teoria psicológica. Por outro lado, com a reflexão filosófica da análise do comportamento almeja-se, outrossim, colocar em bases conceituais mais claras eventuais pontos de contato com diferentes campos do saber, assim como com outras teorias psicológicas, sem, com isso, celebrar o ecletismo.

Docentes participantes: Carolina Laurenti, Carlos Eduardo Lopes.